Peru: o que você precisa saber!

Conhecer Machu Picchu é o sonho de todo o mochileiro. A Cidade Perdida dos Incas recebe milhares de viajantes do mundo inteiro todos os dias, só em 2016, 1,4 milhões de pessoas visitaram suas ruínas.

A maioria das pessoas ainda têm muitas dúvidas sobre esse destino, tais como: quanto tempo de viagem, que roupas levar, se é necessário converter dinheiro no Brasil, documentos etc. Por isso, vamos passar algumas curiosidades sobre o local, além de esclarecer as principais dúvidas que as pessoas têm sobre o destino.

Reconstituição de como eram as residências na época que a cidade era habitada pelos Incas

COMO CHEGAR?

Muitos se perguntam qual a melhor forma de se viajar ao Peru, se de ônibus ou avião. A resposta vai variar de pessoa para pessoa. Uma viagem rodoviária até o Peru demora em média 5 dias, ou seja, o trajeto de estrada entre ida e volta irá durar uns 10 dias, fora o período de visitação no país. Então se você não tiver esse tempo disponível, a melhor opção é realizar uma viagem aérea.

Mas se você está de férias, a dica é realizar uma viagem rodoviária. Logo de cara se pensa que deva ser um tédio passar 10 dias “trancado” dentro de um ônibus, mas a realidade não é bem assim!

Saímos do Brasil e passamos pela Argentina e Chile, visitamos locais incríveis como Salta, Purmamarca, Arica, Salinas de Jujuy, Deserto do Atacama etc. Então não se fica o tempo inteiro dentro do ônibus, há paradas todos os dias, momento que se realiza a visitação de várias cidades.

Se trata de uma expedição, o trajeto é tão lindo e prazeroso quanto o destino final. Por isso, antes de escolher qual é a forma que você irá utilizar para viajar, coloque todos estes pontos na balança: praticidade e agilidade da viagem aérea ou a contemplação dos pontos turísticos da Artentina e Chile através da viagem rodoviária.

Visão do alto da montanha montanha Huayna Picchu

O QUE LEVAR?

Os itens a serem levados na bagagem são outra dúvida frequente. Principalmente no que se refere às roupas, lanches e documentação.

Você tem que ter em mente que passará por diversas regiões climáticas, dormirá no pampa argentina e acordará no meio do Deserto do Atacama, além disso, visitará locais com mais de 5.000m de altitude, onde pode nevar inclusive no verão, há locais onde a temperatura será de 30°C e outros onde a sensação térmica pode passar dos -10°C. Então precisa estar preparado para tudo isso.

Para os lugares quentes, camiseta, bermuda ou short, chapéu/boné, óculos escuros e protetor solar. Já para as zonas frias, leve um casaco, manta, luvas e touca; leve um calçado casual para usar nas cidades, chinelos e também algum tênis ou bota de trilha. Um cobertor e travesseiro também caem bem para usar dentro do ônibus para quem opta pela viagem rodoviária. Para as pessoas que fazem o uso de medicação controlada, é essencial que eles estejam em sua bagagem de mãos e em quantidade suficiente para os dias de viagem, pois no trajeto existem muito poucas farmácias e o atendimento médico é precário.

Contratar um seguro viagem é de fundamental importância para que você possa ter um atendimento médico rápido e sem custos no exterior. Diferentemente do Brasil, quando viajamos para outros países, consultas médicas e atendimentos de urgência devem ser pagos (e o valor não é baixo). Dor de cabeça que pode ser evitada caso tenha contratado um seguro viagem.

Lanches também são importantes, tais como biscoitos, sanduíches, chocolate e água; são alguns exemplos do que se pode levar. Leve também dinheiro convertido na moeda de cada país para realizar refeições nos paradouros.

Atenção: o Chile e o Peru possuem uma barreira sanitária bem rígida, nenhum alimento orgânico ou industrializado – com a embalagem aberta – podem atravessar a fronteira. Então ao chegar nas aduanas desses países, todos os viajantes devem consumir os produtos ou jogá-los fora.

Já com relação à documentação, todos os países do reteiro exigem a carteira de identidade (RG) – com data de expedição inferior a 10 anos e em bom estado de conservação – ou um passaporte válido (com vigência mínima de 6 meses para o Peru). Qualquer outro documento, tal como CNH, carteira de trabalho ou funcionais, não possuem validade no exterior e impossibilitam o embarque na viagem.

Leve por segurança uns R$ 200 convertidos em peso Argentino e outros R$ 200 convertidos em peso Chileno e mais uma reserva em reais conforme tua projeção de gastos (mais detalhes a seguir). Um cartão de crédito também é importante para emergências, mas lembre de habilitar a função internacional antes de sair do Brasil. Não é necessário levar dinheiro convertido em Sol (moeda peruana), tanto no Chile, quanto em Cusco há diversas casas de câmbio, então é mais vantajoso trocar os Reais por Soles lá.

Com relação aos gastros diários, isso varia pelo perfil de cada pessoa. Sem levar em conta os passeios, gasta-se em média de R$ 70 a R$ 150 por dia. Mas como dissemos, isso varia de pessoa para pessoa.

PASSEIOS

O Peru nos branda com uma infinidade de locais para visitar, mas é importante estar ciente que todos eles são bem concorridos e em alguns lugares há limitação diária de visitação, então a dica principal é garantir os passeios de forma antecipada para evitar ficar sem.

Laguna Humantay

Laguna Humantay

É uma lagoa maravilhosa aos pés da Montanha Salkantay. A trilha Salkantay é bem famosa, mas o passeio até a laguna ainda não é muito popular entre os brasileiros. A lagoa está a 4.630m de altitude. Uma paisagem tão maravilhosa que as fotos não fazem muito jus à beleza real da lagoa e da montanha, que tem cerca de 6.200m de altitude!

Para pegar a lagoa um pouco mais azul, basta subir um pouco mais em uma ponta de pedra que tem na margem. É fácil de ver qual é! Esta ponta está bem do lado da trilha quando chegamos na lagoa.

Montanha das 7 cores

Montanha Vinicunca

O verdadeiro nome da montanha é Vinicunca, mas também é conhecida como Cerro Colorado ou Montanha das Sete Cores. A paisagem multicores que fica a 5.036m de altitude, encanta até mesmo as alpacas e lhamas que ficam nos arredores. As tonalidades da joia geológica se justificam pela ação de minerais em contato com os ventos e a água do longo de muitos anos. Remotamente, o local ficava abaixo do oceano (por isso a presença elevada de minerais), mas após eventos sísmicos, acabou se elevando para além do mar, criando a linda montanha que vemos hoje.

A viagem até lá é longa, são 3 horas de van a partir de Cusco, com uma paradinha pra descanso. Depois é necessário realizar uma caminhada (que também pode ser realizada a cavalo) de 2 a 3 horas para subir até o alto da montanha vizinha à Vinicunca, de onde podemos a observar de frente. Por proteção, é proibido caminhar na montanha Vinicunca. Essa região é a mais alta do roteiro, esteja preparado para muito frio!

Lago Titicaca

Ilhas Flutuantes dos Uros, construídas pelos nativos que habitam o lago Titicaca

Localizado na fronteira entre o Peru e a Bolívia, é o lago navegável mais alto do mundo, está a aproximadamente 3.800m acima do nível do mal. No local existem as famosas ilhas flutuantes, são ilhas artificiais construídas pelos nativos da região. Estima-se que a tradição de construção das ilhas é anterior à descoberta das Américas pelos europeus. Os nativos viviam da pesca, mas agora o seu sustento é provido principalmente pelo turismo, através da venda de artesanato e passeios nos seus barcos tradicionais

City tour arqueológico, Maras Moray e Salineras

Não pense que Machu Picchu é o único resquício dos Incas, na verdade ela é a maior, mas existem uma série de parques arqueológicos que podemos visitar. Para entrar em cada parque é cobrada uma taxa de visitação, entretanto, existe a praticidade da compra do boleto turístico, ele te dá acesso a alguns museus e aos parques arqueológicos da região de Cusco (com exceção de Machu Picchu que se compra separado). É mais barato realizar a compra do boleto do que pagar por cada entrada de forma individual. Também é indicada a contratação do transporte (hotel/parques) e de um guia local para otimizar as visitas.

Machu Picchu

Machu Picchu

A cidade perdida dos Incas é a cereja do bolo da viagem ao Peru, a beleza e grandiosidade do local dispensa comentários. As ruínas ficam no alto da montanha, então para chegar até lá é necessário enfrentar essa subida de aproximadamente 3 horas de caminhada. Ela está em um lugar tão remoto que os os espanhóis nunca a encontraram.

Quando os europeus chegaram ao Peru, começaram a conquistar todas as cidades ao redor, com medo da invasão, os Incas fugiram de Machu Picchu e fecharam todas as trilhas. Assim, a cidade ficou abandonada e escondida na mata e no alto da montanha por séculos, até ser descoberta em 1911 pelo professor e antropólogo norte-americano Hiran Bingham.

Vista aérea de Machu Picchu

A caminhada até Machu Picchu (na trilha à esquerda na foto acima) não é indicada para pessoas com problemas respiratórios, cardíacos e de mobilidade; crianças, idosos ou quem não esteja acostumado a realizar caminhadas longas.

Para aqueles que não têm disposição de enfrentar a subida a pé, existe no vilarejo de Aguas Calientes uma linha de ônibus que faz o trajeto de subida até Machu Picchu, o valor é de aproximadamente R$ 80. Acorde cedo, pois a fila para os ônibus é longa, se possível, também realize a compra antecipada.

Terraços de Machu Picchu, serviam para
apoiar as encostas das montanhas, evitando deslizamentos. Também tinha função decorativa e como local para plantação.

É imprescindível que a entrada em Machu Picchu seja reservada com antecedência para garantir a visita na data escolhida, o número de ingressos para cada dia é reduzido, por isso, quem deixar para depois corre o risco de ficar sem.

Machu Picchu possui um circuito de sentido único, ou seja, você entra e deve caminhar em uma única direção, não podendo voltar para trás. Então se curtiu um lugar, garanta logo tuas fotos, pois não poderá voltar ali depois.

Por zelarem por um patrimônio tão importante, os guardas do parque são muito “chatos”. Não é permitido sentar e nem deitar nas zonas de circulação, não é permitido correr, tirar foto com qualquer tipo de bandeira (tanto políticas, quanto de times), usar bastões de caminhada sem protetor nas pontas, utilizar tripés ou drones; também é proibida a entrada de qualquer tipo de alimento. Respeite as orientações dos guardas, pois eles têm o poder de “convidar” qualquer pessoa a se retirar do parque sem o direito de retornar e o valor pago não é devolvido.

Cidade de Aguas Calientes

Nos pés da montanha onde está localizada Machu Picchu fica localizado o vilarejo de Aguas Calientes, uma cidade encravada no meio de três montanhas. A maioria das pessoas chegam até ela de trem, numa viagem que dura em média umas duas horas desde a estação de Ollantaytambo. O trem também é muito concorrido, sempre faça a sua reserva com antecedência.

Curtiu essas dicas? Então confira no vídeo abaixo como é experiência de viajar para o Peru:

About the author

Comments

  1. Adorei as dicas!!! Estou tentando entrar em contato com algumas agências e não estou tendo retorno… e com esse post de vocês já me esclareceram muitas dúvidas e me fez querer viajar com a Triptri…😍
    Quando será a próxima trip pra o peru???eu gostaria de ir em junho 2020.

    1. Bom dia Giovana. Temos viagem para o Peru em diversas datas ao decorrer do ano. Geralmente em março, maio e nas férias de julho. Nossas próximas viagens são 03/05/2019, 12/07/2019 e 10/01/2020, essas são rodoviárias e em grupo. Mas também ofertamos viagens aéreas, daí a data é você que escolhe 🙂 Caso tenha mais dúvidas, pode entrar em contato conosco pelo nosso e-mail: saiadarotina@triptri.com.br ou pelo WhatsApp (51) 991.661.943

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *