Mal da altitude: causas, sintomas e prevenção


Realizar trilhas em regiões de alta altitude é muito diferente de caminhar ao nível do mar, por isso quem tenha a intenção de visitar países que possuam altitude elevadas precisa ter atenção a esses efeitos para não ser pego de surpresa. Mas você sabe quais são as causas e sintomas e como prevenir o mal da altitude?

CAUSAS DO MAL DA ALTITUDE

As reações provocadas pela altitude no corpo são causadas pela falta de oxigênio no organismo que vai se agravando conforme a altitude aumenta. Isso ocorre porque à medida que nos afastamos do nível do mar, a pressão atmosférica diminui e menos moléculas de oxigênio estão disponíveis, tornando o ar rarefeito.

Como consequência do ar rarefeito, a água é distribuída de modo diferente entre o sangue e os tecidos. Essa alteração é uma das principais causas do desconforto da altitude, que podem variar muito de uma pessoa para outra.

A PARTIR DE QUAL ALTITUDE JÁ SENTIMOS OS SEUS EFEITOS?

Geralmente os efeitos iniciais são sentidos a partir dos 2.200m, mas eles são mais comuns acima de 2.800m após uma ascensão rápida. Os efeitos geralmente desaparecem com a aclimatação, pois o corpo se acostuma depois de alguns dias exposto à altitude. A maioria das pessoas ajusta-se a altitudes de até 3.000m em poucos dias.

PRINCIPAIS SINTOMAS CAUSADOS PELA ALTITUDE

Os sintomas causados pelo mal da altitude em nosso organismo variam muito de uma pessoa para outra, os mais comuns são a sensação de falta de ar, aumento da frequência cardíaca e cansaço fácil. Uma pequena parcela das pessoas também apresentam dor de cabeça, náusea ou vômitos e distúrbios do sono; sintomas que desaparecem em poucos dias.

Em raríssimos casos, os efeitos iniciais podem se agravar de uma forma aguda e levar o indivíduo a apresentar um quadro de edema pulmonar (acúmulo de líquido nos pulmões), que tem como sintomas iniciais a tosse seca e irritativa, que passa a apresentar escarro com tempo. Nessas situações é fundamental procurar um atendimento médico, pois, se não tratado, o quadro pode evoluir para um edema cerebral (acúmulo de líquido no interior do cérebro) que tem como alarme precoce a dificuldade de andar, que pode ser acompanhada por movimentos desajeitados dos dedos ou das mãos. A dor de cabeça é mais intensa e um pouco mais tarde, a pessoa pode ter alucinações, como se estivesse embriagada.

Os efeitos agudos são mais raros, mas é importante tomar algumas precauções que podem minimizar os sintomas da altitude no organismo.

COMO PREVENIR O MAL DA ALTITUDE

Como já comentado anteriormente, os sintomas variam de uma pessoa para a outra. Significa dizer que cada organismo se comportará de formas diferentes, mas há uma série de cuidados que podem amenizar ou até mesmo eliminar os efeitos da altitude no corpo.

Quem trilha por regiões muito altas deve evitar refeições pesadas com alimentos muito gordurosos e com bastante tempero, deve ser evitada também a ingestão de bebidas alcoólicas porque aquela sensação de “tontura” da bebida se tornará mais aguda. Também não realize grandes esforços físicos durante os dois primeiros dias, pois uma das melhores formas de prevenir o mal da altitude é fazer uma boa aclimatação. Quando começar a realizar as trilhas, mantenha um ritmo leve para dosar as energias e não ficar com a respiração muito ofegante e, claro, consuma bastante líquidos.

Apesar de não ser algo que tenha relação direta com o mal da altitude, possuir um mínimo de preparação física pode ser um diferencial. Realize exercícios físicos com frequência e acostume seu corpo a realizar trilhas ao nível do mar antes de se aventurar num local mais inóspito, inicie com trilhas em viagens de bate volta com nível de dificuldade mais baixo e vá elevando o nível de esforço aos poucos até se sentir preparado.

HÁ ALGUMA MEDICAÇÃO PARA O MAL DA ALTITUDE?

Geralmente o tratamento oferecido é sintomático, ou seja, atuante unicamente sobre os sintomas. Na região dos Andes é vendido um remédio chamado Sorojchi Pills, ele atua em cima dos efeitos da altitude para diminuir os sintomas, mas é de fundamental importância sempre consultar um médico para prescrever a medicação mais adequada para cada caso.

FONTES PESQUISADAS:

Eu Atleta
Super Interessante
Infopédia



About the author

Uma pessoa apaixonada por aventuras, coordenador de viagens e membro do corpo de marketing da Trip Tri.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *