Purmamarca, uma cidade que parou no tempo

Purmamarca é um pequeno vilarejo no noroeste da Argentina com menos de mil habitantes, possui uma paisagem rústica e uma arquitetura original do século XVII. Por sua posição geográfica, a minúscula cidade é o ponto inicial para inúmeros viajantes que realizam roadtrips pela América do Sul, principalmente para quem vai em direção ao Deserto do Atacama ou pretende percorrer o Ruta 40, que corta a Argentina de norte a sul.

O nome Purmamarca significa na língua quéchua “Cidade da Terra Virgem”, no passado ela foi um antigo paradouro do Caminho Inca e hoje é considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Embora pouco se saiba sobre a data exata de quando foi povoada, Purmamarca tem origens pré-hispânicas e é marcada por seu planejamento urbano centrado em torno da igreja de Santa Rosa. Os edifícios de hoje são construídos principalmente com adobe, argila e palha, com telhados de cardon e telhas de barro colocadas usando a tecnologia transmitida através de gerações de moradores da cidade.

A cidade é pequena, mas guarda algumas atrações bem interessantes. Você pode visitar a igreja de Santa Rosa no centro da cidade, construída em 1648 e com pinturas originais da escola Cuzco. Também pode optar por visitar os sítios arqueológicos vizinhos repletos de pinturas rupestres, onde é melhor ir com guia. Além disso, feiras de artesanato colorem as ruas da vila, com roupas, artesanato, ponchos e tecidos disponíveis para compra. Se quiser fazer foto, vai ter que pagar.

Na praça da cidade também tem um mapa da cidade com um pouco da história em várias línguas, até português. Mas o que é surpreendente mesmo é que o jardim principal da praça é todo de cactos e várias espécies. Isso porque como não chove durante muito tempo, apenas esse tipo de planta é capaz de sobreviver o ano todo.

Mas o que atrai a maioria dos viajantes é o Cerro de los Siete Colores, uma das paradas mais interessantes da Quebrada de Humauaca.  O melhor lugar para fotografar fica a 400m da entrada da cidade, onde existe um tronco com o nome da cidade pintado. E o melhor horário para fotos é pela manhã quando o sol incide nas pedras e as cores ficam bem visíveis. À tarde a luz ofusca a visão e não permite a definição das cores. Quem passa mais tempo na cidade, pode percorrer a pé ou de carro os 3km do Paso de Los Colorados, um caminho que passa na base no morro e leva até outras falésias coloridas. Mas se o objetivo for apenas conhecer a cidade, vale a pena chegar cedinho e seguir viagem quando anoitecer.

FONTES PESQUISADAS:
Blog Eduardo & Mônica

About the author

Uma pessoa apaixonada por aventuras, coordenador de viagens e membro do corpo de marketing da Trip Tri.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *