Viagem a um Brasil eslavo

Por: Renato Barros de Castro
Do blog Mundo na Janela

Já imaginou conhecer um Brasil eslavo? Talvez você ainda não saiba, mas possui vários motivos para visitar Prudentópolis, no interior do Paraná. Embora a cidade seja associada quase exclusivamente ao contexto da imigração ucraniana no Brasil, o que já renderia uma viagem interessante, ela também envolve a cultura de vários outros povos. Entre eles, estão portugueses, italianos, alemães e poloneses, formando um verdadeiro mosaico étnico, responsável por reunir uma população cativante e acolhedora.

Fundada por bandeirantes paulistas e portugueses, a antiga Vila de Capanema (1884) recebeu os primeiros imigrantes no final do século 19. Ela possui tradições muito peculiares, que você provavelmente não vai encontrar em nenhuma outra parte do país. A chegada à cidade, aliás, já dá uma prova disso: de um lado da estrada, placas anunciam a famosa “Cracóvia”, defumado feito de carne de porco; do outro, agências de viagem locais, especializadas em viagens para o leste europeu, anunciam excursões para a Polônia e a Ucrânia.

Patrimônio imaterial de um Brasil eslavo

Esses elementos aparentemente triviais podem ser explicados, na verdade, por um contexto histórico bastante dinâmico. Os primeiros imigrantes ucranianos a chegar aqui haviam deixado suas terras na região da Galícia (Ucrânia) dominada pelo império austro-húngaro, e sob administração polonesa. Ao chegarem ao Brasil, eles não escaparam dessa proximidade: os poloneses também haviam imigrado para o lugar.

A fatalidade acabou por influenciar no próprio idioma. Ao chegarem ao Paraná, os imigrantes ucranianos falavam a língua de sua região, a Galícia. Porém, o contato com outros povos e a língua oficial brasileira foi construindo outras particularidades idiomáticas. Ainda hoje, é possível ouvir ucraniano nas ruas ou no interior do município. E esta é apenas uma das muitas peculiaridades deste Brasil eslavo.

Turismo religioso no Brasil eslavo

Outra forma de ter essa experiência com o idioma é assistir a uma missa celebrada em ucraniano. A cidade é a única do Brasil a possuir dois padroeiros oficiais. Eles representam, respectivamente, a igreja latina e a tradição ortodoxa: São João Batista e São Josafat. A igreja dedicada a este último, aliás, é bastante representativa de seu gênero aqui no Brasil. Ela possui um imponente ícone de madeira e cúpulas bizantinas revestidas de zinco. Na área externa, há também um batistério (acima, à esquerda) e um carrilhão (acima, à direita). A missa é realizada com o padre de costas para o público, voltado para o altar.

De acordo com Wanderlei Gomes, pesquisador da história local, a atividade religiosa foi a principal responsável por manter coesa a ideia de uma identidade cultural por parte dos moradores da cidade. Para ele, mesmo que muitos cidadãos possam ter sobrenomes poloneses, eles costumam se identificar como ucranianos. Isto se deve, a seu ver, à influência da igreja ligada às tradições orientais, que foi se flexibilizando e adotando também ritos da igreja latina.

De um modo ou de outro, o certo é que a cidade é detentora do título de “capital da fé”, atraindo muitas pessoas interessadas em suas tradições religiosas. Estas, por sua vez, podem ser apreciadas em várias ocasiões, e, em especial, nas festas ligadas aos dois padroeiros ou na época da Páscoa. Outra importante tradição local, a propósito, tem uma ligação direta com o período: a colorida “pêssanka”, ícone da cultura eslava, é o principal souvenir local. Para saber mais sobre ela e entender melhor a cultura local, é importante visitar o Museu do Milênio (abaixo), no centro da cidade.

A terra das cachoeiras gigantes

Além da hospitalidade do povo, o patrimônio linguístico, as tradições culturais e o calendário religioso, o Brasil eslavo de Prudentópolis conta ainda com muitas atrações naturais, pois o município está cercado de cachoeiras. Entre elas, destacam-se quedas d’água como o Salto São João e o Salto São Francisco, que atinge quase 200 metros de altura e um panorama de tirar o fôlego.

Salto São João

Por esses e outros motivos, como visto, não faltam razões para justificar uma visita a Prudentópolis, muito embora apenas um deles já fizesse valer a viagem: o contato com seus habitantes, que ficará para sempre na memória.

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *